Big-data-e-saude

O impacto do big data no setor da saúde

Uma das maiores consultorias do mundo, a McKinsey aponta os ganhos que indústria farmacêutica, hospitais e planos de saúde podem ter com uso de advanced analytics.

O uso de Big data e Advanced Analytics estão redefinindo a indústria farmacêutica e transformando modelos de negócio no setor da saúde. As novas tecnologias facilitam o atendimento baseado em valor, ao mesmo tempo em que os pacientes estão cada vez mais envolvidos digitalmente com sua saúde. É nesse cenário, e também pensando nos ganhos de eficiência e qualidade, que a McKinsey desenvolveu estudos sobre as vantagens do advanced analyticsnos serviços de saúde.

Especificamente para indústria farmacêutica, a McKinsey usou ferramentas proprietárias em advanced analytics para examinar e combinar dados de todos os fatores que poderiam ter impacto no tempo de conclusão de ensaios clínicos, que são o conjunto de procedimentos de análise e desenvolvimento de medicamentos que buscam garantir dados de segurança (informações sobre reações adversas) e eficácia nas intervenções de saúde.

“Usamos abordagens não lineares decorrentes de ciência da computação e do poder computacional atual, as chamadas machine learning não linear, para avaliar a produtividade dos ensaios clínicos”, explica Tracy Francis, sócia da McKinsey. “O resultado foi o aumento em 10% na produtividade dos testes clínicos, seja em tempo, custo ou qualidade”, complementa.

Já nos hospitais, um dos grandes desafios é como melhorar os resultados de pacientes por meio da redução de complicações cirúrgicas e do entendimento do tempo de conclusão de cirurgias, dando aos pacientes sempre as melhores chances de cura e recuperação. O uso de big data, neste caso, também é central. A Mckinsey considerou um conjunto de dados de 280 mil cirurgias ortopédicas em 26 hospitais, identificando as principais relações entre funções e composição ideal da equipe e revelando diversos insights contraintuitivos. “Com esses cruzamentos de dados, conseguimos uma precisão de 93% da previsão dos resultados das cirurgias”, comenta Tracy Francis.

Em relação às fontes pagadoras no setor da saúde, basicamente planos de saúde, seguradoras e governo, a McKinsey conseguiu, por meio de big data e advanced analytics, mensurar a performance real desses provedores, indicando um novo modelo que possa favorecer mais a relação resultados vs. volume. “Os dados nos mostraram que para melhorarmos fundamentalmente o sistema de saúde seria necessário uma migração do modelo fee for service(pagamento por serviço) para o value based services (medicina baseada em valor)”, conclui Tracy Francis, consultora da McKinsey.

Fonte: IpNews


Posted in BI, Inteligência de Negócio and tagged , , , , .

Formado em Informática pela PUC-Rio, especialização em gerência de projetos, diversos treinamentos na área. Dos 21 anos de experiência em TI, 13 deles dedicados a Área de Inteligência de Negócio (DW, BI e Analytics).

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *